sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

da felicidade I

a permanência da solidão. no fim, eis o que resta. amor? é desespero. felicidade? passa, sempre passa. mas a dor, a dor é mais profunda e sabe como enraizar os dedos em nossos ossos. mais profundo que a dor, o silêncio. faz-nos surdos, cicatrizes somos. o adeus, é do silêncio promessa atirada ao ar. e só. a permanência da solidão. enfim, eis o que me resta.

2 comentários:

mariab disse...

e assim avançamos, de solidão em solidão. há por vezes pequenos intervalos em que pensamos não estar sós. por vezes.
beijos

Mari disse...

sabe, mesmo triste eu não consigo concordar... tristeza tem fim sim! ;P
beijoca, querido.